03 - boletos.JPG
02 - a gnt inda tem jeito.JPG
04 - capitalismo vai acabar.JPG
06 - inda por cima.JPG
07 - renda mínima.JPG
09 - abraçar.JPG
11 - num sai do canto.JPG
13 - desligada.JPG
15 - remendando.JPG
17 - sigoviva.JPG
19 - sábado.JPG
21 - corpo confinado.JPG
23 - esmalte.JPG
25 - din-din de coco.JPG
08 - 600 reais.JPG
10 - rua céu mar.JPG
12 - consumir.JPG
14 - moro conte more.JPG
16 - live é trabalho.JPG
18 - egoísta colorida.jpg
20 - 14 anos.JPG
22 - feira domingo.JPG
24 - corpa menstruante.JPG
26 - arroz.JPG
17 - sigoviva.JPG
05 -boa romaria faz.JPG

Edzita sigoviva

Título: Tenho mãos, tenho panos, tenho linhas

Técnica:  Bordado livre

Artista racializada, sertaneja, bordadeira, costureira e educadora. Bacharela em Comunicação Social e Mestra em Ciências Sociais pela UFRN. Tem uma trajetória de trabalhos que investigam desdobramentos políticos-corporais em torno da menstruação e da educação menstrual e da criação interdisciplinar com áudio, fotografia, escrita, feminismos, saberes ancestrais, arte têxtil e ação performativa. É Terapeuta Moon Mother pela WombBlessing® e Doula da Menstruação.

A série "Tenho mãos, tenho panos, tenho linhas" é um diário imagético-político e crítico do cotidiano de um corpo racializado, em diáspora, durante o período pandemia-quarentena, na cidade do Rio de Janeiro.
Postado no Instagram como um bordado-performance, cada bordado é acompanhado de uma legenda que o complementa, assim como as interações dos seguidores da @ citada, criando um testemunho coletivo dos dias de isolamento, dos cenários políticos no Brasil, das sensações em relação as diferentes realidades dos corpos diante e atravessando tudo isso, as violências, as mortes, o abraço, os outres, a casa, o auxílio emergencial, a rua, o fora, o dentro, a perda de referências variadas com o passar dos dias, o protesto, a esperança, memórias bordadas como cotidiano partilhado.