IMG-20200226-WA0026-removebg-preview.png
IMG-20200226-WA0027-removebg-preview.png
IMG-20200226-WA0022.jpg

fábio boff

Título: Pé de Moleque Levado (Série trabalhos de Cabeça)

Técnica: Performance

Ano: 2020

Natural de Belém do Pará, mas amapaense de criação e afeto. Cursou Escultura na UFRJ, onde desconstruiu e deixou objetos. Músico dedicado às desarmonias delicadas e poeta, educador, artista visual e pesquisador.
Pesquisa a efemeridade, e o
s espaços históricos tracejados por pés e mãos de cor, seja quais forem suas dimensões, norteado por representações e representatividade.

Atualmente, produz a série "Trabalhos de Cabeça", na qual pratica associações livres, temporais, linguísticas e estéticas, tomando como ponto de partida as relações laborais dos povos coloridos.

A obra "Pé de Moleque Levado", parte da série "Trabalhos de Cabeça", consiste em uma pedra de granito bruto retirada de um lugar de importância histórica para os descendentes de africanos escravizados no Rio de Janeiro, e uma tira de borracha de chinelo flip flop pregada nela por pregos. Foi produzida durante uma performance em que o artista carregou a pedra sobre a cabeça, calçado apenas com um pé de chinelo e vestindo terno e gravata, com as calças enroladas até os joelhos. A caminhada se deu por locais históricos do centro da cidade do Rio de Janeiro, respectivamente: a Pedreira dos Cajueiros, no antigo Morro da Favela (atual Morro da Providência), seguindo pela Barão de São Félix, caminho da Cabeça de Porco; passando pelos Jardins Suspensos do Valongo; seguindo a Barão de Teffé e a atravessando em frente ao Centro Cultural Ação da Cidadania (armazém construído por André Rebouças) em direção ao Cais do Valongo, onde as partes do objeto (pedra, pregos e pedaço de chinelo) foram unidas à marteladas sobre as coxas.